Cartão de Visita do Facebook

quarta-feira, 6 de maio de 2015

POEMA PARA UM PASSADO DISTANTE

No abraço das tuas palavras meigas cruas
Busco o equilíbrio inquieto confiante
Como se escrevesse para um passado distante
Com as palavras que são tuas
O poema tão nosso
E nesse desequilibro desenha-se o esboço
Do sossego de sentires flutuando
Como se existires amando
Te tirasse do poço
Onde te sentes cair
Quase a desistir
Do teu ser
Mas vem o poema e passo a passo
Dá te o alento para um novo viver
Quase um beijo na meiguice de um abraço
Quase um afago a verter do olhar o prazer
O compromisso do passado a sobreviver
Entre poemas feitos de silêncio equilibrado
Quando de poeta e de louco se faz a poesia
O poema por palavras num verso silenciado
Quase uma explosão de memórias por magia
Porque fica tanto por dizer
Porque tanto nos passa ao lado
Porque tanto fica por escrever
Sobre esse sentir desesperado
...
musa

... por que eu também gosto deste deambular que conspiramos de poesia... com Celso Cordeiro

Sem comentários: