segunda-feira, 17 de janeiro de 2011

TRANSMONTANA


Das faldas da montanha
Desci para o mar
Saudade estranha
Parece ficar
Deixei campos de olivais
Direcções cruciais
Deixei searas
Belas tiaras
Deixei vinhedos
 Guardei segredos
Lameiros de feno
Terras cultivadas
Aroma veneno
Paisagens enfeitiçadas
Fragas
Ribeiros
Fontes
Penedos
Caminhos
Chão
Donde nasci
Grata paixão
Trouxe comigo
Aqui senti
Ser solidão
Alma inteira
Corpo rude
Dócil abrigo
A vida por companheira
Tudo o que pude
Crime e castigo
Lodos e lamas
Chuvas e trovoadas
Rezas profanas
Santificadas
Olhar atiçado
Em fogos humedecidos
Sentido sagrado
De tantos sentidos
Em terra amanhada
Mão na enxada
No corpo cansado
De tanto prazer
De tanto viver
De tanto sonhar
O sonho alado
Deixado esvoaçar
De Trás-os-Montes
Da natureza
Musa das fontes
Verso pureza
Prosa poesia
De saudade veste
Corre nas veias
Lembranças ateias
Fogo incendeias
Agreste
Fantasia
...
anabarbarasantoantonio

terça-feira, 11 de janeiro de 2011