sábado, 15 de dezembro de 2018

CADA VEZ MAIS SÓS

CADA VEZ MAIS SÓS

Não falta à mesa o pão
Repartido por um qualquer deus
Dividido na incerteza e na solidão
Tão nossos e tão seus
Tão diferente e tão igual
Tão da terra e tão dos céus
Na mesa farta de Natal

Sorrisos descontentes
Na imprecisa união
A fartura destas gentes
Em festa e gratidão

À mesa com tudo o que lhe pertence
Todas as iguarias festivas
Sem as doçarias esquecidas
Que pela fome não convence
A ilusão doutras vidas
E o silêncio desuso da prece
Imperfeito e profundo
Já das contas perdidas
Por vezes ainda acontece
Lembrar a oração do mundo
A fé a bater no peito do olhar
As horas adormecidas
Sem tempo de orar

Cada vez mais sós
À mesa longa e comprida
A comer perde-se a voz
Que importa ao lado a outra vida
...
musa

Imagem: La soupe des pauvres - pastel
" L'Appel du Bleu" Jean-Yves Simon - Editions Boussole, pág. 203

CRIANÇA JESUS DO LAPEDO

Parabéns a todos os que contribuíram para este maravilhoso achado

CRIANÇA JESUS DO LAPEDO

No regaço da fenda na rocha adormecida
Há vinte nove mil anos sepultado
Na sagrada terra mãe escondida
O corpo inerte cuidado e deitado
Jaz o menino Jesus do vale do Lapedo
Escondido do mundo em segredo
Seus ossos tingidos de um ocre vermelho
Rito funerário pré-histórico e velho
Das trevas subterrâneas e do medo
Natal de um antigo inverno
Agora de palavras eterno
" Foi purificada com um ramo de pinheiro-da-casquinha, que foi aí queimado. Sobre o ramo queimado colocou-se o corpo da criança, embrulhado numa mortalha de pele coberta de ocre vermelho. O corpo estava um pouco inclinado para a esquerda, com o pé esquerdo sobreposto no direito. Além disso, deixaram-lhe um coelho como oferenda, uma vez que se encontraram ossos deste animal, também com ocre, entre as pernas da criança. Por fim, colocaram-lhe adornos. Junto do pescoço, o esqueleto tinha uma concha marinha perfurada e, perto da cabeça, quatro dentes caninos de veado furados."
Que sonhos de infância esconde o teu olhar
Da penumbra da caverna em solidão
Agora os teus ossos recuperados
Espantam os homens e fazem divagar
Por entre mundos desconhecidos de luz e escuridão
Sentidos profundos montes e vales encantados
Onde o tempo parece parar
Ecoam murmúrios deslumbrados
E agora já podes descansar
...
musa

segunda-feira, 10 de dezembro de 2018

ENTRE OS TEUS BRAÇOS DE NOVO A PRIMAVERA

ENTRE OS TEUS BRAÇOS DE NOVO A PRIMAVERA

A luz sem tempo entardece
Dança sombreando hora a hora
De penumbra a nesga funda se demora
Entreaberta a porta que acontece

Ver-te entrar corço esquivo
No vale furtivo da brancura
A sussurrar um grito um uivo
O canto feitiço da loucura

E o vento da boca a lamber gulosa folhagem
Brisa aragem desassossego do rio
Desejo deserto em infindável viagem

De gozo amor prazer em paciente espera
O vale que há-de ser de luminoso a sombrio
Entre os teus braços de novo a primavera
...
musa

DE LUZ

DE LUZ

Todo este tempo de espera é sangrar
Rasto de lúmen indecifrável
Abertura
Luz

Sentimento
Quimera
Olhar

A sombra imutável
Prestes a explodir
Branca loucura
Que conduz

Pensamento
Primavera
Provar

O fel das palavras em sentir
Na leitura aberta claridade
Insustentável intimidade
Secreta tortura eternidade
O éter existir
Da vida

Não sei se a felicidade
Já perdida
Ou a encontrar
...
musa

AS MÃES NÃO TÊM TEMPO PARA A POESIA

AS MÃES NÃO TÊM TEMPO PARA A POESIA

As mães não têm tempo para a poesia
Escondem metáforas por detrás do olhar
Tecem de rimas segundos minutos e horas
Em ponto cruz de melancolia
Profundos pensamentos por bordar
Todos os sossegos e demoras
Versos de sensibilidade e sentimentos
Na intimidade dos momentos
As lágrimas que não conseguem calar
E as palavras que soletram em métrica escondida
Do sentir e da saudade por embalar
Toda a ternura serenidade adormecida
Sem reticências ou pontuação
Doce melodia a soletrar
O poema em soneto imperfeito
Benção ou história de amor em coração
De imensa doçura a bater no peito
...
musa
"Blessings - Katie M Berggren, Acrylic on Canvas"

MÃE DEZEMBRO

A mais um Dezembro cumprido para a minha mãe 💝
De Parabéns Maria Conceicao
MÃE DEZEMBRO

Cabelos humedecidos
Mãos enregeladas
Rosto a corar sentidos
Algumas lágrimas perladas
Em fios desprendidos
Tombam risos esquecidos

E do regaço manto e leito
O aconchego de gratidão
O amor maior a bater-lhe o peito
O afago e o aperto da protectora mão
Ainda que por vezes incerto o caminho solidão

Uma prece no silêncio da ladainha
A súplica o pranto em humildade
Tanto que Vos peço Mãe para a minha
A minha mãe com rosto de serenidade
Divide comigo um amor profundo
Divido com ela todo o amor do mundo
...
musa

Igreja Nossa Senhora da Conceição

terça-feira, 27 de novembro de 2018

OLHAR A MARTE

OLHAR A MARTE

"Bom dia!
E, de facto, é mesmo bom dia: está confirmado que os painéis solares da InSight abriram totalmente e eis uma bela fotografia da residência da mesma mesma durante os próximos 2 anos - Elysium Planitia!"

Chegando a Marte em Novembro
Uma película de pequenos grãos de areia
A refletir a imensidão de um deserto
Miragem oblíqua de um objeto
Loucura da ciência aqui tão perto
O sonho da lua quase não lembro
Gagarine não me contou
Quanto do seu pó ainda é poeira
E o gigante passo da humanidade
Ou a sua cegueira Que da escuridão deslumbrou
Por toda a eternidade

E agora, o que faremos em Marte?

Diz-me Miguel, quanta fome a saciar
Quanto do incendiário olhar
Perante a vida que parte
Valeu a pena?

Tudo vale a pena, diante da alma tão pequena
...
musa

Créditos: NASA/JPL-Caltech

domingo, 25 de novembro de 2018

VIAGENS PELO MUNDO

Sei que foi um momento bonito 😉
Agradecida a quem leu o meu poema 💝 na tertúlia da Appcdm de Setúbal ✍️👏🤗

VIAGENS PELO MUNDO

Viagens dos cinco sentidos
Não sei se navego as nuvens
Ou se navego as águas
Por rios perdidos
Se atravesso o céu nublado
De olhar marejado de lágrimas
No desafogo de mágoas
E o peso do corpo cansado
Serenidade dos sonhos vividos
A sonhar com um céu estrelado
Por entre a nebulosidade
De um abraço por cumprir
Ou o silêncio por sentir
O presente e o passado
A ilusão do tempo
Doce saudade
Breve esvoaçar
Pelo mundo a viajar
Na ternura do pensamento
Abro mansamente a mão
E o mundo cabe nos cinco sentidos
Nos olhos cegos escondidos
Às vezes uma viagem de avião
Levantar voo num sorriso perfeito
E abrir tantas fronteiras no peito
De estrada em estrada e de estação em estação
Ou apanhar o comboio devagar
E de abraços enganar o olhar
Ou o silêncio que fica por ouvir
Ou os monumentos por tactear
Os campos e as ruas por cheirar
As cidades por sentir
Ou as iguarias por provar
De sentimento profundo
Poder dizer
Já viajei por todo mundo
Só para viver
...
ana barbara santo antonio

sábado, 24 de novembro de 2018

PEQUENOS DETALHES DA ÉPOCA

PEQUENOS DETALHES DA ÉPOCA


Criai pelo vosso punho, textos de amor... por que vai ser difícil encontrar e-mails pelo sótão das lembranças... em palavras sentimentais, memórias escritas, daqui a cinquenta anos... Somente com o tacto do olhar...

Sobre a mesa o ritual
Dezenas de anos repetido
O sabor sempre igual
O aroma no sentido
O doce regaço teatral
De um Romeu e uma Julieta
A receita ancestral
Afectuosa e secreta
Tempos antigos e o cobre à lareira
Uma tarde inteira
Sobre a mesa pão nozes e figos
E o cheiro a espumar da leiteira
Névoa leitosa em mãos sabedoria
Para partilhar com os amigos
A ladainha em prosa ou poesia
E o açúcar da melancolia
Em pequenos detalhes
À época adoçaria
Memórias e entalhes
Tragédia a cumprir
Do amor o paladar
Uma lágrima no olhar
O tempo e o sentir
...
musa

quinta-feira, 22 de novembro de 2018

AQUECE-TE NA MINHA ALMA

AQUECE-TE NA MINHA ALMA

Dito assim
Devagar 
A tarde a respingar
Fria chuva a cair
Para além da vidraça o olhar
A ver quem passa por mim
E se demora no meu sentir

A escorrer pela garganta
Aromático sabor de orientais sentidos
O sabre da saudade a ferir
Luz que frialdade espanta
Dedos entorpecidos
Suave tonalidade
Uma gota a ressurgir
Tempo que parou
Na verticalidade

Vidro embaciado 
Vento âmbar líquido cantante
Por dentro gritou
Melancolia cortante
Verso resfriado
Palavra andante
Verbo no passado
Por escrever

Sombreia a poesia
Silêncio a querer dizer
Aquece-te na minha alma
Na gélida pele da tua ausência
Pranto por saber
Luz que acalma
Frio demência
A transparecer 
...
musa 

segunda-feira, 22 de outubro de 2018

OUTONO DOS DIAS

OUTONO DOS DIAS

Do enternecedor olhar
Enquanto pássaros orvalharem
Marejadas manhãs
Com cânticos de silêncio e ausência
E voos em outonal diário
Com folhas a esvoaçar
Súbita transparência
A descair do calendário
Sem terminarem
Íntimos os dias

E pelos campos o abandono
As tardes sombrias
Frágil ensoalhado
Doces melancolias
O chão trabalhado
Para adormecer

O voo rasante das aves
Sobre o restolho a tecer
Ninhos de aromas eternos
E os longos invernos
As invernias suaves
Antes da árvore morrer
Ou a folha amarelecida
Queima de outonalidades
Loucas intimidades
Da vida
musa