Cartão de Visita do Facebook

domingo, 2 de junho de 2013

AS COISAS

Têm as coisas em mim memória
Arrastam a luz em sombras pelo chão
As coisas têm a sua história
Numa eternidade plena de solidão
Têm as coisas em mim lugar
Num altar de prece e glória
As coisas sempre aí estarão
Tendo até alguma coisa para contar
E dentro de mim lembrarão
Onde existem as coisas a recordar
Há uma estante com livros e pó
Um tapete de lã com as mãos da avó
Um candeeiro de abajur pintado e velho
Uma ténue luz esforça-se para respirar
E há fios soltos no reposteiro vermelho
E cheira a maça e canela do pomar
E há nas paredes telas pela mão da mãe
Bucólicas aguarelas com cenas silvestres
Naturezas mortas e autorretratos
E quadros de outros pintores também
Com cenas de caça e paisagens agrestes
Ocupando lugar nas salas e nos quartos
Têm as coisas ordem e o tempo
Serão numeradas catalogadas em testamento
No auge dos dias em plenitude
De contornos gastos de ternura
São feitas as coisas de sentimento
Guardam em si silêncio e quietude
Dançam na penumbra sonho e loucura
Têm as coisas em mim a virtude
De me fazer sentir mulher vivida e madura
Filha de um momento e de um pensamento
Como alguém que ainda procura
As coisas que hão-de vir perdidas para além do tempo
E nunca deixarão de existir coisas e vidas
As coisas em mim por dentro
Sentidas

musa

1 comentário:

marilda disse...

Oi Ana,
Muito bonito seu poema,com reflexões sensíveis sobre muitos fatos da vida.Vi-a pelo pelo meu diário do paper.li.Siga-me também em vidaemsolfejos.Bj.