Cartão de Visita do Facebook

quarta-feira, 28 de setembro de 2016

OUTONAL SENTIR

OUTONAL SENTIR

Como orvalhado instante da madrugada
O morno calor da natureza ainda adormecida
A fumegar a luz no chão da alvorada
Tremula agitada ardente humedecida

Desprende em fio a teia em pérolas a mão
Vai tecendo a vontade em doido desejo
Ponto a ponto gozo a gozo excitação
A natureza morta ressuscitada pelo beijo

Lá no lugar da clareira onde morre a luminosidade
Sol nascente escondido pela folha do querer
Desponta em gemidos a madrugada intimidade

Rasga num grito a molhada carnal loucura
Nasce aurora outonal em afogueado prazer
Intenso e profundo o tempo que a tortura
...
musa

Sem comentários: