Cartão de Visita do Facebook

domingo, 16 de julho de 2017

DEMÊNCIA

DEMÊNCIA

Esta sombra que desce
E se arrasta na enchente das horas
Desfalece leda e casta displicente nas demoras
Onde gasta a beatitude do silêncio sofrido
Os olhos cansados a latejar o sentido
Que a luz mórbida entardecida
Como se a fechá-los se aceitasse a escuridão
A frágil luminosidade da vida
A ensandecida solidão
O tempo pesado e lento
A promessa de esperar
Por dentro o grito e o lamento
A prece que leva a nenhum lugar
E esta morte a viver
Este peso sobre os ombros fardo manso de aço
Ileso aturdir
Arrastando pelos escombros do pranto desfeito
Este sufocar e aperto de peito
O desespero e o cansaço
O tédio e o sofrer
A magnitude do profundo sentir
A terrível sombra sem fundura
A demência a ferir
A insana tortura
O cerco que se aperta
A morte que está perto
E o que resta
Do caminhar incerto  
O negro luto que se apressa
A rastejar a sombra insegura
Pelo chão da loucura
...
musa

Sem comentários: