Cartão de Visita do Facebook

quarta-feira, 6 de janeiro de 2010

Dueto (Dedicado a poeta Ana Bárbara de Santo Antônio)

Há dois pontos Duas taças cristalinas Uma mulher e uma menina Eles delas a brindar Há dois versos Dóis sóis, um universo Dínamos da constante cósmica Há duas luas Duas lógicas Dois barcos a navegar Há dois hiatos Dissílabos em expansão Dois cristais Uma canção Duas chaves Dois segredos Duas coragens Dois medos Dois destinos A bailar Há duas leis Duas hipóteses Dois teoremas Tu tão deusa Eu tão pequena Há um desafio no ar Há dois espaços Dois tempos Dois intentos Tu da água Eu dos ventos No teu deserto a escavar Há duas mentes Dois olhares Dois serventes Eu tão duo Tu somente Duas forças Um olhar Há um pensamento Duas vontades Desconexas Eu tão sinistro E tu tão destra Uma sílaba par Há duas saídas Um labirinto Dois mantras Um tesouro Um cais agudo Há quase tudo Quase nada Há um verso Uma morada Um amor Um esperar... RUSSO,T.C.F.
José Lourenço FlorentinoComentário de José Lourenço Florentino 25 minutos atrás
Sem palavras!... para comentar este poema encantador!!!
Jorge Cortás Sader FilhoComentário de Jorge Cortás Sader Filho 2 horas atrás
Harmonia e maturidade, descritas em linguagem simples, mas de conteúdo vigoroso. The sabe o que faz. Beijos. Fico solidário na homenagem a Ana Bárbara, sem intrometer-me na verdade do poema, mais um acerto de Theresa.
Ana Barbara de Santo AntonioComentário de Ana Barbara de Santo Antonio 2 horas atrás
Excluir comentário... profusão de palavras em dança poética... ciranda silhueta bailarina de sentidos que encanta esgota respiração e se faz musa pela mão de um sonho em poesia...sensibilidade na sensualidade do grão aqui semeado... fico extasiada por esta paixão de pensamentos à qual me curvo com agrado remetido e partilho sentimentos com um só sentido... venero seus ditos como minha deusa de palavras...
Harmonia e maturidade, descritas em linguagem simples, mas de conteúdo vigoroso. The sabe o que faz. Beijos. Fico solidário na homenagem a Ana Bárbara, sem intrometer-me na verdade do poema, mais um acerto de Theresa.
... profusão de palavras em dança poética... ciranda silhueta bailarina de sentidos que encanta esgota respiração e se faz musa pela mão de um sonho em poesia...sensibilidade na sensualidade do grão aqui semeado... fico extasiada por esta paixão de pensamentos à qual me curvo com agrado remetido e partilho sentimentos com um só sentido... venero seus ditos como minha deusa de palavras...
Às 14:36 em 6 janeiro 2010, EstherRogessi disse...
Ana, boa tarde! Poeta é poeta, até ao comentar! Fico na observância... A forma com que cada pessoa comenta, diz bem mais do que um livro inteiro... Revela: inteligência, sensibilidade ou a falta dela, criatividade, competência e algo mais... Obrigada por tua sensibilidade e competência, és um filtro poético! Por que obrigada? Porque és um presente para os amantes da poesia... Beijos! Responder Exibir a cadeia
s

Sem comentários: