domingo, 29 de janeiro de 2017

A PELE DA VIDA

 A PELE DA VIDA 

Trago vinhas
Versos liquidos
A escorrer
Do olhar
Vinhedos nas faces coradas
Segredos por contar
Trago palavras minhas
Ainda por escrever
E sonhos sentidos
Em linhas paralelas
Trago paisagens de janelas
Encostas despidas
Viagens e lembranças
Imagens perdidas
De longínquas andanças
Vinhos por beber
E no copo vazio
Marcas de lábios doridos
Trago na boca gemidos
Nos olhos um longo rio
E seiva de saudades
Raízes de um tempo perdido
De arrancadas intimidades
Sulcos na pele ressequida
Chão duro a estremecer
De um pranto a derreter
Tristes outonalidades
Em lonjura de inverno
Trago vestida
A pele o manto eterno
Loucura da vida
...

musa

Sem comentários: