Cartão de Visita do Facebook

sexta-feira, 11 de agosto de 2017

QUEM LIBERTOU A IRA DAS CHAMAS

QUEM LIBERTOU A IRA DAS CHAMAS

Que fazem os deuses irados
De chama na mão
Possessos tresloucados
De fogo aceso na escuridão
Que tudo arde em pira infernal
Esses deuses ferreiros do aço
Malham na natureza o vil metal
Deixam o homem em exaustão e cansaço
Com olhos a espelhar arder
Com corpos de espanto e loucura
Com mãos negras a estremecer
Vulcanos em acesas fogueiras
Chão  de brasas em tortura
Faúlhas labaredas inteiras
A rodopiar em combustão
A deixar tudo negro em tição
A maior desolação

Andam irados os deuses do fogo pela terra
Tudo arde tudo se consome tudo se ateia
Montes e vales campos e cidades tudo se incendeia
Estradas casas ou os pinhais da serra
As chamas gigantes demônios a correr sem paração
Queima de tristeza a humanidade imprudente
De angústia e solidão
Talvez inocente
...
musa

NA BEIRA DO MAR

NA BEIRA DO MAR

No Verão há flores frias gélidas e pálidas
Há ventos cortantes a serrar com areia
Dunas a desfazerem-se magras esquálidas
Uma vaga ruidosa a enredar como uma teia

De mar a inundar o areal de coisas mortas em pedaços
Conchas vazias e partidas já sem vida
Pedrinhas roladas por sal de muitos cansaços
Qualquer coisa abandonada ou talvez esquecida

Caminho sobre os detritos da praia deserta estranha
Como dois cavalos montados de sonhos e vento
Nesta imensidão de azul à beira-mar tamanha

A solidão que arrasto no trote das vagas imaginadas
De palavras escritas na areia do pensamento
Deixando pelo chão tristemente pequenos nadas
...
musa

PARA UMA VAGA DISTANTE

PARA UMA VAGA DISTANTE

Sabes que te escrevo
Aqui perto destas pedras frias e salgadas
Sabes que te conto tudo o que devo
A este mar de infinito azul
A toda esta imensidão de olhar
As palavras escritas deixo-as em vagas
Vaivém de versos e indecifráveis marés
Talvez o poema onde se foi afundar
O amor inteiro e profundo que me guardas
A misteriosa onda sem saber quem tu és
De onde vens tão imenso como esta profundidade
A invadir de lágrimas tanta intimidade
Secreto e vadio amante
Infiel talvez
Tão distante
...
musa


UMA PRECE ESPIRITUAL



UMA PRECE ESPIRITUAL

Não sei traduzir mais o silêncio
Nem sei se ausência se traduz
Sei esperar e aceitar o teu tempo
Sei onde te levar oração e luz

Peço ao universo saúde e harmonia
Para esta inquietante preocupação
Lamento do fundo do coração
Esta tristeza em poesia
Transcendental

Uma prece espiritual
Ao teu encontro o reconforto
Do abraço que não te posso dar
A fronteira ou o bom porto
Onde possas chegar
Em serenidade
...
musa




PROMESSA

PROMESSA

Hei-de esquecer-te mesmo que os ventos teimem sussurrar
Os murmúrios mais tristes de chorosos lamentos
Esquecer o quanto pude amar e sofrer e chorar
Tenebrosas tempestades a enlouquecer pensamentos

Dilúvios de pranto não mais do que lágrimas escorrendo
Um aperto de peito com toda a frialdade da ventania
A mais amarga e sofrida e desumana melancolia
Que todo corpo e alma carrega de promessa morrendo

Pois hei-de morrer por ti no silêncio dos versos humedecidos
Prometendo amar-te como quem ama a sofrer
E tem na vida tantos desgostos prometidos

Como quem confessa do amor que em palavras prometia
A loucura dos sentidos por tanto e tão pouco querer
Que a escrever de promessas não se faz a poesia
...
musa


quarta-feira, 9 de agosto de 2017

AMAR ATÉ MORRER

AMAR ATÉ MORRER

S. Félix essa linha imaginária
Cativeiro de sossego
Às vezes o nó cego
Do silêncio com alma sanguinária

A pálida quietude fervilhante
Da paisagem extraordinária
A pedra mutante
Do medo ainda por descobrir
Ou talvez o sentir
Do imaginário distante
Do quase ir
Por aí onde o mar se faz caminheiro
E este amor compacto todo inteiro
Rochas humedecidas de algas e vida
Pedras sentidas de qualquer coisa viva
Mar azul o meu tinteiro
A deixar-me escrever

Sou toda eu sentimento e maresia
Este amor maior de silêncio e prazer
Este infinito azul pensamento e poesia
Que hei-de amar até morrer
...
musa

DA GRANJA A SOLIDÃO

DA GRANJA A SOLIDÃO

Todo o areal conquistado
Tem a jóia o pranto da escadaria
O sal das lágrimas derramado
Nos versos loucos da poesia

E o poeta solitário frente ao mar
A bucólica paisagem rasgada
Por um comboio a passar
Entre a praia e a estrada
Bebe do sossego a solidão
A luz esmaecida a tingir
A tarde a querer a escuridão
Os versos o pranto do sentir
Pelo punho cansado da mão

Vem de longe a poetisa brisa
Distante a cobrir a imensidão
A neblina dançante desliza
E a Granja se parece noiva no altar
Ao subir a escadaria tão molhada
Das ondas que a estreitam de abraços
Da melancolia dos cansaços
Dessa agonia em lágrimas devassada
Pelas vagas de sal e espuma choram
A terra assim atravessada
O comboio que as marés demoram
...
musa

PRANTO DE MAR

PRANTO DE MAR

Ouvem-se os sinos perto do mar
Mártir S. Sebastião venerado
E S. Félix mesmo ao seu lado
Têm os dois um lindo altar

Os sinos da Marinha rebatem pela manhã
Bem cedo o sol faz o mar de azeite
Um espelho imenso de azul nos olhos nos lábios rubra romã
Espesso arde o areal toda a tarde até que se deite

E na praia de Brito onde o sol é verde
As ondas dançam cores sobre o rochedo
A água salgada ensina a nascer a sede
Num búzio perdido encontra-se um segredo

Há uma brisa e maresia a escaldar amanhecer
As vagas são doces e afáveis uma a uma
Na praia o tempo é eternidade e entardecer
A cada onda que o mar enrola de areia e espuma

Não sei por quem os sinos tocam ou porque dobram
Diante desse mar imenso e profundo
Os sonhos que por certo resistem ou lágrimas que sobram
De quem vive e sente tantas as mágoas do mundo
...
musa

ANSIEDADE SENTIMENTAL

ANSIEDADE SENTIMENTAL

Feita de amor escondido
Bem no seio do sentir
Um suspiro um gemido
Algo a contrair
A emoção

Dessas coisas estranhas do coração
Da alma trepassada a consentir
Esta insanidade e razão
Do invadido pensamento
Deste sentido sentimento
Ansiedade paixão
Sentires exaustos
Tão irreais

Desses desejos fulcrais
Banquetes de olhares gulosos e faustos
E bocas como altares onde oferendas se anunciam
Corpos ansiosos que se denunciam
Festivos silêncios a demorar poesia
Sentidos dessa insana magia
Sexos círios em súplica e tentação
Iluminadas fontes de luz e excitação
Esplendorosa fantasia

A sensibilidade negação da melancolia
Sôfrega suspirando o delírio de ser
Na mais doce e terna solicitação
Qual a mais íntima pornografia
O desejo físico dessa geografia
O bem sensível do querer
Dos corpos rendidos à excitação
Talvez a insanidade da insatisfação
Ou o gozo desmesurado da fantasia
Que fazer
O mais íntimo e mais carnal
Algo provocado e virtual
Um dia todas as palavras serão sentir
E basta um olhar em silêncio do momento
Aquele instante do verbo vir
E tudo acontece em pensamento
...
musa

segunda-feira, 7 de agosto de 2017

À PROCURA DE AMAR

À PROCURA DE AMAR

Ainda te procuro todas as manhãs
Não sei bem se no infinito
Se mais além do infinitivo
Ou se no inferno deste sentir

Se algures na separação dos sentidos
No eterno sentimento da paixão
No ensinamento do verbo desistir
Ou da paisagem infinitamente ilusão
A dúbia miragem que corre nos rios do olhar
E as encruzilhadas e os caminhos perdidos
E as dúvidas ao partir e ao chegar
E os pensamentos esquecidos
Já tão farta e tão cansada de procurar

A memória ainda insiste ser só lembrança
Persiste esta crença e esta confiança
E para sempre esperar
Somente consentir e acreditar
Um dia na procura de entender
Ainda vou ouvir dizer
Fui amado e soube amar
...
musa

domingo, 6 de agosto de 2017

TRÉMULA SAUDADE

TRÉMULA SAUDADE

São as tuas mãos
Loucos pássaros a querer voar
No céu da tua boca e no teu olhar
Húmidos caminhos de sentir
E excitada e nua
Fazes-me vir
No leito de tantas tardes
Até ao entardecer
Fazes-me inteiramente tua
Nas chamas onde ardes
De gozo e de prazer
Em profundo desejo
Até ao último beijo
Infinita loucura
Meiga tortura
Endoidecer
A boca a mão
O nosso tesão
Trémula saudade
A secreta intimidade
Do silêncio de viver
A poesia de pele e sentidos
Em versos gemidos
No doce torpor
Até morrer
De amor
...
musa

ANUNCIAÇÃO

ANUNCIAÇÃO

poema para a Mafalda & Fábio
                      pela vinda abençoada do bebé Frederico <3

Tenho nos olhos bem fundo
O segredo da maternidade
A semente da felicidade
O bem precioso do mundo
E no meu ventre redondo o sentir
Algo se agita se mexe e fala comigo
Anuncia ao meu corpo e aos meus sentidos
Cuida de mim eu estou aqui e tu és o meu abrigo
A minha mãe a proteger os dias vencidos
Mês após mês de nove meses a germinar
O anunciado bebé Frederico
De um acto de amor
De já tanto o amar
A mais linda flor
...
musa

LUZ DE UM BEIJO

LUZ DE UM BEIJO

Vieste com a sombra da lua
As pedras limadas do impossível
Nas mãos fechadas a alma nua
A palavra encantada e irresistível
Trazias versos que já conhecia
E na boca um único desejo
O corpo todo era poesia
Nos lábios a luz de um beijo

E toda a claridade amanhecida
Das sombras que aprendi no teu olhar
Na intimidade acontecida
A luminosidade a cintilar
De beijos e abraços
Íntimos cansaços
E o corpo a sossegar

Trazias saudades e questionavas
As horas perdidas e sentidas
E quando me olhavas
As nossas mãos entretidas
Já falavam de amor
De um passado de solidão
Dessa tímida dor
Sombra ainda no coração
A querer ser claridade
Iluminada emoção
Ternura cumplicidade
De uma noite de paixão
...
musa

CANSAÇO

CANSAÇO

Canso-me do silêncio
Desta estrada inquieta
Desta existência secreta
Mar tão distante e imenso
Onde existes sem querer

Canso-me de viver
Experimentar ruas sem saída
O olhar perdido suspenso
O último beco da vida
A te esperar

Cansada e desobediente
Perdida de qualquer lugar
Dizia-te ontem que não mais te escreveria
Dos cansaços interditos a roubar saudade
A deixar pelo chão cambraia e melancolia
Dos abraços dos sentidos em memória intimidade
Como que da loucura inconsciente
Do cansar da poesia
Da silente eternidade
A tristeza que se sente
Em profundidade no coração
Pudesse um dia
Trazer-te enfim
Dos confins da solidão
Para perto de mim
Finalmente
...
musa