Cartão de Visita do Facebook

segunda-feira, 8 de maio de 2017

AMOR ENLUTADO

AMOR ENLUTADO

Como se sobrevive a um amor que morreu
E pulsa ainda latejante qual estrela a cintilar
Na escuridão que arde teimosamente no céu
O fogo húmido das lágrimas no triste olhar

Amor enlutado qual chuva de estrelas luzindo
Milhões de farpas a rasgar de luz o firmamento
Cravadas como punhais de sal no peito abrindo
O luto mais profundo da paixão do sentimento

A doer e moi como a pedra na mó do moinho
Macera a lembrança de incerteza e loucura
A sentimental memória a seguir o seu caminho

A doer e fere e sangra acesa chama ainda a arder
O pranto manso da massacrante e dócil tortura
Que a vida é um luto lento até o amor morrer
musa 

Sem comentários: