Cartão de Visita do Facebook

segunda-feira, 4 de abril de 2016

DIAS CONTADOS

DIAS CONTADOS

No extremo das palavras a latir
Há dias contados de inconstância abrupta
Cães danados com fome de sentir
Esta avidez de morte desde a infância
Que consome tempos cansados de existir
Horas de desespero e relutância
Vadios os dias latidos dessa instância
Que hesita sóbria a vida
Teimosia sentida

Vacilação na correria das palavras matilha
Como se lobos os tempos fossem desse verbo
Alfa atraiçoada e ferida
A vírgula ultrajante da partilha
Louco o servo

Há dias contados a descontar ao destino
Olhos cansados presos na armadilha
Que a vida armadilhou pelo caminho
Com cinco cordas de sentidos
E o chão que tantas vezes parece tirar
Debaixo dos pés perdidos
Restam os dias por contar
...

musa

Sem comentários: