Cartão de Visita do Facebook

sexta-feira, 16 de janeiro de 2015

POESIA FINGIMENTO

POESIA FINGIMENTO
Essa poesia fingimento
No escuro breu onde acontece
De um estalido estremecimento
Brechas de palavras do pensamento
Onde de loucura se tece
Escuro prelo sentimento
Que letra a letra desfalece
Sem tão pouco sentir
Quase nada fingir
A mentira de existir
Tal discernimento
Poema ou ser
Existência desalento
Ser e transparecer
Louco contentamento
Fingido a preceito
Três vezes se bate no peito
Culpado ou inocente
Se o é também o sente
Humano imperfeito
Alegre ou descontente
Que nunca precise fingir
A realidade da poesia
A mais cruel fantasia
Do mais vil fingimento
Da vida que seja um dia
A pura verdade do tempo
O poeta sonhador
Da agrura a vida em dissabor
O verso levou lho o vento
As palavras proferidas
Mais pesadas do que as vidas
Do que a angústia ou a dor
Na linha tênue contratempo
Perdeu a rima o fulgor
Das entrelinhas perdidas
Resta lhe fingir o rumor
Réstias lembranças esquecidas
Do fingimento torpor
...

musa

Sem comentários: