Cartão de Visita do Facebook

quinta-feira, 3 de julho de 2014

ETERNO MAR - Poema azul de sophia de mello bryner, voz de Maria Bethania


ETERNO MAR

Dar-te-ia descanso nas vagas mansas do sentir
Embalada de poemas pelas ondas junto ao mar
Dos instantes não vividos que no vento a fluir
Possas com asas de poemas na voz declamar

Claridade fundindo mar e céu profundidade
Luz que de azul celeste no ondear se prende
Fecham-te no Panteão para morreres saudade
Imenso amor ao mar que ninguém já entende

Reclama o sal das lágrimas de Portugal bramindo
Distante alma assim roubada ao mar eternidade
Descanso entre os seixos molhados não os sentindo

Pela dor de tão apartado desenlace o desalento
Humedecendo sonho da poetisa em cumplicidade
Encarcerado o verso longinquo o sentir do tempo
...

musa

Sem comentários: