Cartão de Visita do Facebook

quinta-feira, 26 de junho de 2014

NO BEIRAL DAS PEDRAS

Sinto-me andorinha de regresso ao beiral
Em voos de luz a um tunel escuridão
Na procura do caminho ancestral
Num voo a pique mortal
Rasgando as asas da solidão
Ferido animal
Voltando ao lar
Do meu umbral
Perto do mar

E dos montes pelas pedras sombreados
O pinhal ergue as sombras esvoaçantes
Do promontório onde os olhos esgazeados
Procuram as barcas navegantes
Onde os olhos húmidos azulados
Partiram vagas dantes
Ondas por navegar
Pedra monte
Horizonte

Onde morre o sol e vagueia andorinha
Na terra prometida faço do céu meu mar
No umbral da vida a ave sombra caminha
As vagas pelos montes em debandada
O ceu azul por naufragar
A terra esventrada
Beiral sossego
Voo medo

Braçadas de nuvens a fugir
Do olhar guardando o sal
Das emoções a sentir
Do ninho o meu beiral
As sombras da vida
Longe prometida
Celestial

Em vão a terra o vento alma infernal
Cobrindo o chão semeado de ilusões
Ave negra solta nos umbrais do tempo
Cravando na memória solidões
Manchando de negrume o pensamento
Aceso lume do sentimento
Quebranto de amargura
A mesma luz madura
Negra trave escura
Fogo ave
Loucura
...

musa

segunda-feira, 23 de junho de 2014

SETE QUADRAS DE S. JOÃO

SETE QUADRAS DE S. JOÃO

Que a noite seja iluminada
S. João não me leves a mal
Vou ficar em casa descansada
A meditar sobre o meu Portugal

Sei que vai haver folia
Nas ruas do Porto tripeiro
Eu cá fico na poesia
Molhando a pena no tinteiro

Dos martelos e dos alhos a bater
Nas cabeças dos carecas
Cá para mim vai é chover
Até molharem as cuecas

S. João eu sendo do norte
Pois nortenha eu sou de raiz
Escolhi Santo Antonio na sorte
Para em devoção ser mais feliz

Todos os santos têm sabores
Iguais ou bem parecidos
Nos mangericos de vivas cores
Perfumam a alma de sentidos

Sardinhas a pingar no pão
Na broa de milho caseiro
Faz parte da tradição
Molhar o bico primeiro

Agora com a chave do S. Pedro
E no calor da pele do cordeiro
Hoje vou para a cama bem cedo
Com Stº Antonio o ano inteiro
...

musa

POEMA DE NÓS - Parabéns JORGE BRAGA

POEMA DE NÓS

Há um poema solto na voz dos teus filhos melodia
Com asas esvoaçando a ternura fímbria do tempo
Em cada verso a oração partilhada loucura poesia
Murmura sentimental sonoridade do pensamento

Pauta dos sentidos em laços ternos e nós carnais
Abraços de vozes nas palavras em ecos de ventos
Poema de nós enlace deslumbre e sonho de rituais
Nos versos dos filhos soltos asas dos sentimentos

Que gratidão da vida em altar poesia esses filhos voz
Dando asas deslumbramento ao poema declamado
E assim solto preso o sonho livre em grito dos nós

Voa voa voa esvoaçando palavras ao vento dos sentidos
Filhos da poesia prolongamento do teu sentir poetado
Em versos de sensivel contentamento e sonhos tidos
...

musa

DRUIDA - ao druida AGOSTINHO MAGALHÃES - Parabéns e Feliz aniversário

Fauno ancestral de branca barba ao vento
Evocas luz sobre as trevas em raios rituais
Tens no ser do carvalho sensivel entendimento
As esporas aspergidas sobre olhares carnais
O saber da floresta em ramos de aconselhamento
De braços abertos em oferendas e sacrificios
Dizimas os gritos do trémulo encantamento
Evocas os deuses sagrados profanos vicios
Que espalhas na clareira pela árvore do pensamento
Magos sacerdotes juízes curandeiros conselheiros
Poetas cantores timoneiros brilhando no firmamento
Oradores guardiões de segredos virtudes proféticas vitais
Da natureza as vozes e o sentir do chamamento
Do saber sacerdotal a oração ecoando do cosmos secreto
Sobre lanças espadas cordas pedras e punhais
O poder evocado e desperto
E dessa maneira te elevas divindade
Em delével deslumbramento
És rosto da eternidade
Conhecimento
...

musa

sexta-feira, 20 de junho de 2014

ENLUTADA LEMBRANÇA - em memória da Avó Ana

Às avós que partem do luto lento dos dias
Levando na memória pedaços de nós
Deixando na lembrança saudades sombrias
Dos abraços do colo dessas nossas avós

Mães emprestadas aos ventos da infância
Das lágrimas enxugadas dos apertos do peito
Das ternuras partilhadas em riso esperança
Num enlace profundo desmedido perfeito

Elas partem e não voltam para nos fazer sorrir
Ficam eternas na imagem dos nossos sentidos
As avós dos sorrisos que tanto nos fazem sentir
Deixam na nossa vida anos de amor cumpridos
...

musa
       avó Ana Nogueira... bisavô João Carrazedo e bisavó Maria da Encarnação

quarta-feira, 18 de junho de 2014

TORMENTO DA DISTÂNCIA

Que tens tu? Diz-me... Porque andas triste hoje assim
Que nem de ti o silêncio murmura
Que é para mim estranha insistente tortura
O não saber nada de ti esta inquietude sem fim

Sinto-te distante quieta como quem o grito encerra
Em sombras de imperfeição incompletas
Como a desilusão e a melancolia dos poetas
A luz fugindo do olhar que por aí erra

Desmesurada esta angústia que me assiste
O não saber nada de ti nem do teu sentir
Deixa me perdido descontente e triste

E fica para além do sentimento o tormento
Esta estranha forma de amor a persistir
No corpo e alma dor feita lamento
...

musa

terça-feira, 17 de junho de 2014

ETERNA IDADE VIDA

Quão eterna a vida possa ser
Dos laços desprendidos dias que passam
Desmedidos eternos laços que se façam
Para a vida em mim poder prender
E os dias contados pelos dedos
Em entrelinhas e segredos
Na bravura e nos medos
Sejam o viver
Dias felizes

São da vida desmesuradamente deslizes
Minutos que incontidos e resgatados
Confundem sentidos deslaçados
De um tempo que se perde desilusão
Dias de imensa confusão
No presente espalhados
Horas que se tentam eternizar
No compêndio da atitude
Entre o silêncio e a solitude
Num laço de gratidão
Onde reatar a esperança
A luz da verdade
A tábua da salvação

Idade madura eternidade
Assim agarrada de laços e raízes
Ainda que loucura e saudade
Dando às lágrimas do olhar suaves matizes
Eterna e saudosa matriz da felicidade
Que tanto se busca e se procura
Na eterna fuga perdura
De assim fugir à realidade
E sentir vontade
 E querer morrer
Para alcançar a eternidade
Na meiguice docilidade
Do mistério do fim
Onde enfim possa ser
...

musa

domingo, 15 de junho de 2014

DECLARAÇÃO DE AMOR

"Amo-te assim perdido. No amor e no desejo. Amo-te no braço estendido. Que me chama para um beijo. Um amor desmesurado. Muito maior do que a vida. Sinto-te em todo o lado. Ate nos becos sem saída. Vou amar-te do meu jeito. Aproveitando o que a vida me da. Guardo-te bem fundo no peito. Dou-te o melhor que em mim . Os sorrisos, a companhia. A vontade de te amar. És de mim a outra fatia. Que me andava a faltar. AF"

Amo te
Porque me fazes falta e parte de mim sente se incompleta
E está saudade que me assalta no medo que se desperta
Amo te porque receio tanto te perder
Sem te ter sem te ver mas tanto te querer
Amo te agora mais porque conheço o teu cheiro o teu sabor o teu beijo
E nunca mais os dias ficaram iguais porque não vivemos esse amor e não gozamos esse desejo
Amo te porque sei e sinto que nós queremos mais
Sabes amor o que o tempo me disse em sussurros de ternura
Que pode bem ser tolice esta nossa aventura
Talvez as horas passem a correr e a vida seja mesmo uma loucura
Mas havemos de sentir e viver na pele esse amor de prazer
Nesse amor que em nos perdura
Nesse amor que de amor pode morrer
Nesse amor que nos faz ser
...

musa — a sentir-se amada.

sexta-feira, 13 de junho de 2014

DIA DE SANTO ANTONIO

                               http://www.arautos.org/liriosantoantonio/site/index/1
               http://www.arautos.org/especial/27004/Santo-Antonio.html

ANTÓNIO

ANTONIO

 Inestimável ser em humildade encanto
A santidade em prece ao rio o sermão
O voto de pobreza repartido o manto
Inigualável certeza da fé e da oração

Homem bondade entusiasta natureza
Encontra pela vida a graça da filosofia
Na virtude do sonho semeia a certeza
Repartindo palavra como pão do dia-dia

O mistério oculto da existência é o seu desafio
Pronto a se aventurar ativo culto e decidido
Santo Antonio prega com devoção aos peixes do rio

Que importa homem ou santo de nome Antonio
Aos milagres lhe fica assim o seu sentido
Todos quantos lhe pedem protecção do demónio
...

musa

segunda-feira, 9 de junho de 2014

MISÓGINA (... a um Amigo...)

MISÓGINA (... a um Amigo...)

Desflora a palavra repulsa
Na aridez gozo destemido
Rosto olhar que pulsa
Misógino convulsivo

Tens gritos na pele deformada
Frágeis sentidos aguilhoados
De uma Sodoma encantada
Aos teus olhos maltratados

Submissa flor casta pranto
Haste dobrada tolhida
Da vida usurpado desencanto
Pétala de liberdade proibida

Aflora a culpa o grito abençoado
A mão da dor que se levanta
O corpo inteiro fendido mutilado
Alma que no sentir amor se espanta

Que importa maltratada suja imunda
A carne é palco da dor prazer
Ávido ventre seco a vida se afunda
Dos dias que se morrem a viver
...

musa — em S. Felix da Marinha.

domingo, 8 de junho de 2014

SERENIDADE

SERENIDADE
"... porque me olhas com esse olhar de Gioconda...
o teu rosto é de uma serenidade assustadora... ai se o Leonardo da Vinci presenciasse essa melancolia...
por onde andas mulher serena..."

Há uma torre de marfim
que esconde búzios e pérolas
nácar serenidade

E pedras batidas
pela força do mar
um rasgo carmim
meiga tonalidade
onde teu rosto
são os lábios que ouso beijar
para naufragar a saudade

no esboço de um sorriso secreto
desperto a vaga que tomba no olhar
e serena fica a brilhar húmida água
tímida mágoa areia do deserto
onde não possa atravessar
de luz o teu sentido

e o meu rosto impreciso
atravessado de luminosidade
num esgar de claridade
e gozo desmedido
parece pura melancolia
mas é somente poesia
pintada de sal e saudade
...

musa

PÓ DE SILÊNCIO

"Muita melancolia... prefiro a dor da tesao por cumprir... a saudade dos beijos trocados... a memoria dos corpos por sentir... a vontade dos desejos molhados . Amo-te ate aos domingos...;-)§§§"

PÓ DE SILÊNCIO

Que o silêncio seja do tamanho da saudade a sentir

Das alvoradas silenciosas a romper auroras de luz e sentidos

Desta distância que dói desta angústia que mói

O tempo sem alcance algum do olhar parece fugir

Os sonhos esmagados pela memória dos gritos incumpridos

Quando não tudo está bem desejamos desistir

Mas as palavras não são mais do que silentes gumes em murmúrios e gemidos

Deixa então que este silêncio e solidão repouse os ardumes vencidos do existir

Só eu sei e sinto este silenciado sentir

Porque do silêncio e só

Caminho para o pó
...

musa

DESLUMBRE

DESLUMBRE

Húmida na secura
Saciada a fonte
Brota o fulgor
A crescer

Tremula loucura
Pálida fronte
Vibra de amor
E de prazer

A sede crescente
Da tua boca
Que ama e sente
Insana louca

Em deslumbramento
Nascente excitação
Sacia o pensamento
Inundado de tesão
Penúria vontade
Da tua mão

O corpo onde me deito
Faço desse rio o leito
Onde adormecer
E morrer de prazer
Num sonho imperfeito
A tua boca a foz
Do gozo de nós
Onde viver
...

musa

segunda-feira, 2 de junho de 2014

100 HISTÓRIAS DE ENCANTAR


   Tiago, Margarida, Joana, Mariana

"Grande é a poesia, a bondade e as danças...
Mas o melhor do mundo são as crianças,
Fernando Pessoa"

ANJO ESPIRITUAL

ANJO ESPIRITUAL

Mãe há luz numa lágrima ainda
Onde todas as dores adormeceram
No embalo da tristeza nunca finda
Asas de anjos em pranto teceram

As lágrimas dessa dor cerzida
Adormece a memória entristecida
Olhos de choro em cera derreteram
Saudade de um colo em falta na vida

Mas sabes Mãe da tua dor trama do tear
Um anjo espiritual embala todas as horas
A cada segundo do teu triste chorar

E as estrelas de brilho imperfeito
Cintilam os instantes e as demoras
Que os anos tecem no teu peito
...

musa