Cartão de Visita do Facebook

sábado, 24 de agosto de 2013

POEMA DA NOITE

A noite deu-me umas asas de luz
Em doce silêncio esvoaçante enlace
Há toda uma escuridão que me seduz
Há toda uma solidão que me abrace
Ao meu sentir que a escrita conduz
De palavras feitas de silente instante
De noite e um silêncio feito meu amante
Eram palavras tão silenciadas
Murmúrio secreto distante
Como noite entranhada no meu sentir
Na escuridão lavrei mágoas orvalhadas
Pelas tristes lágrimas que deixei cair
Voltei tão só para a casa dos meus passos
Abri os braços aconcheguei sentida emoção
Na palma da mão deixei consentir
Palco húmido dos olhos baços
Choro enternecido meiga ingratidão
Tenho a vida por companheira
Que posso mais querer dessa ilusão
Tenho a noite toda inteira
Para a abraçar a solidão

musa

1 comentário:

José Carlos Moutinho disse...

És poetisa a sério...

Beijinho