Cartão de Visita do Facebook

terça-feira, 13 de agosto de 2013

AUSÊNCIAS

Onde estás que te não sinto
Quando as minhas mãos são meu sentir
Quando meu olhar parece fingir
Esta ausência dor consinto

Demoro saudade desassossego
Deixo-me em inquieta rendição
Entrego-me a insolente medo
Que me atormenta o coração

Onde estás ainda agora
Vieste atormentar sentido
Pensado nessa doce demora
Tão na alma bravio castigo
Tão na pele rosada em flor
Tão no sentir florida dor
Sem tempo sem hora

São essas ausências lume
Fogueira da caixa de Pandora
Queimando-me corpo chama
Há-de haver fogo ciúme
Ardendo a luz que derrama
Tanto intrépido sentir ardente
Tecido ausente trama
Que ilusão consente
Medo inquietude
Afogueado torpor
Ah… esta louca solitude
Que ausente traz a dor

musa

1 comentário:

De Amor e de Terra disse...

Gostei muito desta sua amarga solidão!
Bj.
M.M.