Cartão de Visita do Facebook

quarta-feira, 3 de julho de 2013

CONFISSÃO A UM AMOR ANTIGO - quem me dera que estivesses aqui


CONFISSÃO A UM AMOR ANTIGO

Arrumo- me com o silêncio das lembranças... quero ficar bonita para o passado.
As memórias floriram sobre telhados vermelhos do burgo antigo como claraboias envidraçadas deixando passar a luz a uma escuridão adormecida e trouxeram versos emudecidos e aromas de violetas e rosas e melodias sangradas em palpitante serenata ao toque dos passos dos gatos errando pelas telhas em luzidia cumplicidade e ilusão.
Aprendi… a única certeza do que tenho são as palavras, as que sinto e as que já vivi. Tudo o resto é a pontuação que não uso.
A emoção sentida trouxe muitos instantes de choro e sonho e a fantasia repetida das histórias infantis na solidão de uma noite de leitura num enamoramento magico ao luar.
E sabes… das minhas lágrimas o tempo mata a sede de campos de palavras em humedecidas searas que dão o pão do sentir.
Tenho no pensamento um amor antigo que me dá o sustento do que escrevo e deixo em sementeira de poesia sentimental terra lavrada em sulcos de sentimento. O chão dos meus sentidos é agora grata recordação de uma primavera a acontecer.
Conheci alguém que despertou um tempo novo.
Não sei dizer de outras estações que já aconteceram nem predizer o que possa vir a acontecer nesta vagabundagem de prosa poética sobre a sensual vontade de viver cada hora no que os teus olhos calam em mim e quando me mostras que há o desejo a florir no vértice ternurento da tua boca proferindo palavras em silêncio absoluto que eu oiço perfumando o palato temperamental desse sentir a esmaecer o passado que agora renasce nos teus beijos e deixa doce sabor a vida. E sabes que eu estou viva e vivo em ti.
Obrigada por existires.

musa

Sem comentários: