Cartão de Visita do Facebook

terça-feira, 18 de junho de 2013

SOBREVIVEMOS

Temo as primaveras esfriadas
O sentir de que sobrevivemos
Sem saber bem o que queremos
Perdidos em manhãs enevoadas
Gélido manto nevado por derreter
As estações todas trocadas
Sem o verão acontecer

Cada manhã será mais fria do que a outra
Cada dia será o acolher de uma nova frialdade
Cada hora terá o tempo de uma nova idade
A temperatura será desvairada e louca
Cumprida a loucura de sentir e existir
Há em nós um outono de folhas a cair

Espera-nos incansável caminho sem desistir
Cobre-nos o pavor de desditoso inverno
Salpicando meses de brancura
Num frio profundo eterno
Onde o gelo perdura
E se faz cumprir
Húmido inferno
Silêncio terno

musa

Sem comentários: