Cartão de Visita do Facebook

quarta-feira, 3 de abril de 2013

A AVÓ E OS SONHOS DE AÇUCAR


Quando era criança tinha uma avó que fazia sonhos de açúcar.
A avó Da Laica, porque assim se chamava, tinha ela uma cadela branca de nome Laica, e antes de ser minha avó era também avó da Laica.
Fazia bolos e comida para os casamentos, organizava as festanças da felicidade alheia e da sua imaginação lá construía os sonhos feitos de açúcar branco, misturando o doce dos cristais com pétalas de flores da Primavera do mês de Maio, o mês sagrado das noivas.
Havia calor nas suas mãos cansadas de moldar flores, pétalas e folhas que coloria com os corantes alimentares e ornamentava com pérolas douradas trazendo ao manto branco de açúcar todas as estrelas do universo dos sonhos.
Lembro-me da cesta de flores que enchia de cravos ou rosas ou amores-perfeitos conforme a estação, levando para a mesa um pequeno jardim cheiroso, um odor de perfumes naturais que cintilava sobre o rendilhado do açúcar trabalhado sobre o bolo recheado de creme pasteleiro ou doce caseiro.
Nos anos setenta, no interior do país, a doceira da aldeia maravilhava com a habilidade naïf das suas mãos gretadas dos trabalhos do campo, e fazia sonhar as noivas com sonhos de açúcar branco.
Guardamos as fotografias dos bolos de noiva trabalhados pelas tuas mãos, com a alma do teu suor em muitas noites sem dormir, as horas entregues ao tempo que pouco viveste, os sonhos que não chegaste a sonhar, e as maravilhas que nos proporcionaste enquanto crianças maravilhadas com a tua arte de moldar flores de açúcar e fantasia.
As memórias da avó Da Laica, do carinho com que nos cuidavas nas tuas preocupações, nos serões abrasadores das noites de verão sem dormir, ajudando-te a vencerem o calor que te preocupava derretendo os sonhos de açúcar, as ilusões misturadas de lágrimas e cansaço e a alegria de fazeres o que mais gostavas, os dias gastos nos silêncios sentidos sobre luta esgrimida com o tempo vazio de lembranças e a certeza de que nas margens da vida deixarias humedecidas memórias como doce miragem do que o sentir poderia partilhar no trajeto das palavras agora feitas de doces sonhos em cristais açucarados.
Quando se abre o álbum das fotografias onde estás, há aromas desprendidos dos bolos a preto e branco, ponteiros rodando sonhos no relógio parado das recordações, visualizadas as cores que memorizamos pela tua voz, e cintilantes pedrarias doces em prata perlada como estrelas do universo dos sonhos, vindas repousar em guardadas memórias que ficam enfeitando palavras num álbum de sentidos de mil cores.
A minha avó dos sonhos de açúcar já partiu há muito tempo e ainda olho para as fotografias e vejo os seus olhos repletos de fantasias doces na memória grata das noivas que ajudou a casar.
Quando olho as nuvens brancas sei que há açúcar derretendo dos sonhos que escrevi com lágrimas feitas de saudade.
musa

Sem comentários: