Cartão de Visita do Facebook

segunda-feira, 14 de maio de 2012

ALMA MÁRMORE

Na dureza onde submersa
A alma magnânima se aninha
Rio de beleza atravessa
O mármore frio que caminha

Por entre as lajes decepadas
O corte sombrio humedecido
Na jazida as dores esmeriladas
Adoçam breve o seu sentido

Anima esculpida a jorros de água transparente
Pedra a pedra se soltando pelo pensar absoluto
O mármore frio dos poros que abre e sente

Dura e lisa nas fissuras nos rasgos nas feridas
Latejante sentir desse pensamento devoluto
Alma de pedra em pedras doidas e sentidas
musa

Sem comentários: