Cartão de Visita do Facebook

terça-feira, 12 de janeiro de 2010

AMOR

amo como nunca amei
um amor que sangra alento
de ouro de lei
viaja por dentro
corre


que morre
mas ninguém conhece
intemporal profundo
luz quando amanhece
e é dia em todo mundo

um amor dorido
me fazendo sentir viva
com tamanho sentido
de dama musa diva

amo como nunca amei
sinto a tua presença
de lágrimas já te chorei
fundidas nossas almas
resta-nos uma sentença
o que de ti guardei
o que de mim tu salvas
réstia de indiferença
de amor ressalvas

amor maravilhoso
que possa em mim viver
feliz e não desgostoso
intenso de belo prazer
vivo delicioso
...
musa

quarta-feira, 6 de janeiro de 2010

VIDA MARIONETA







Tem dias que não sei
se sou deste mundo
se o mundo é destes dias
tal o sentimento profundo
que mede mágoas e alegrias

sinto-me estranha marioneta
nesta existência presa de laços
sem rumo destino caminho meta
que leve a bom porto meus passos

às vezes não sei se me querem
se sou essa ausência sem nome
por dentro aceito tudo o que me derem
o que sacie minha sede e mate a fome

pergunto-me porque existo assim
sem morada de uma alma cansada
num
labirinto onde se esconde tudo
porque tantas vezes penso no fim
e sonho
mais do que vivo acordada
sem forças de viver o que nunca mudo

não sei
se alguma vez
alguém irá entender
este inferno de sentidos
quem sabe
talvez
possam compreender
todos meus castigos
e me ajudem a
ver
esses caminhos perdidos
entre o viver e o morrer
entre o querer e o
fazer
...
musa

A todos os Poetas da letra e da Imagem!... Descanço e sonho do poeta...Jose D`almeida d.m

costureiro de poesia...
lavra em linhas folhas furos
costura rimas versos antologia
dos tristes fortes fracos sensiveis duros

a velha máquina de costura
de peito aberto ao cansaço
adormece prazeirosa loucura
em doce sonho seu abraço

à luz ténue da noite amante
sonha o poeta o livro pronto
pé no pedal ritmado cantante
faz correr linha papel e ponto

persiste ainda sonho nostalgia
livros cosidos à máquina à mão
recordações de prosa a poesia
guardadas em cofre do coração
...


musa

DIA MUNDIAL DA POESIA 21 de MARÇO


Amei-te em tempo incerto
porque já nasci grávida de ti
poesia mar deserto
areia humedecida
poema senti
morte vida

morro
a cada palavra que desmancho
cada poetar que não nasce
cada vertar de águas
cada lágrima
poetada

vivo o pranto da poesia
choro por dentro calada
invade-me a noite e o dia
vivo quase cruxificada

quase morta de tantos sentidos
partos de um dentro quase fora
pensamentos assim perdidos
onde uma solidão se demora

nasci poema de sangue alma
num corpo poesia atormentada
perco o tempo perco a calma
à palavra abandonada

e deixo sentir
sombras poetizadas
primavera por florir
de raizes arrancadas

morro de poesia
todos os dias
morro viva
sentida
perdida
tida

viva morta
rendida
sempre que essa poesia
bate à minha porta
noite e dia
proclamada
declamada
palavreada
...

musa

Dueto (Dedicado a poeta Ana Bárbara de Santo Antônio)

Há dois pontos Duas taças cristalinas Uma mulher e uma menina Eles delas a brindar Há dois versos Dóis sóis, um universo Dínamos da constante cósmica Há duas luas Duas lógicas Dois barcos a navegar Há dois hiatos Dissílabos em expansão Dois cristais Uma canção Duas chaves Dois segredos Duas coragens Dois medos Dois destinos A bailar Há duas leis Duas hipóteses Dois teoremas Tu tão deusa Eu tão pequena Há um desafio no ar Há dois espaços Dois tempos Dois intentos Tu da água Eu dos ventos No teu deserto a escavar Há duas mentes Dois olhares Dois serventes Eu tão duo Tu somente Duas forças Um olhar Há um pensamento Duas vontades Desconexas Eu tão sinistro E tu tão destra Uma sílaba par Há duas saídas Um labirinto Dois mantras Um tesouro Um cais agudo Há quase tudo Quase nada Há um verso Uma morada Um amor Um esperar... RUSSO,T.C.F.
José Lourenço FlorentinoComentário de José Lourenço Florentino 25 minutos atrás
Sem palavras!... para comentar este poema encantador!!!
Jorge Cortás Sader FilhoComentário de Jorge Cortás Sader Filho 2 horas atrás
Harmonia e maturidade, descritas em linguagem simples, mas de conteúdo vigoroso. The sabe o que faz. Beijos. Fico solidário na homenagem a Ana Bárbara, sem intrometer-me na verdade do poema, mais um acerto de Theresa.
Ana Barbara de Santo AntonioComentário de Ana Barbara de Santo Antonio 2 horas atrás
Excluir comentário... profusão de palavras em dança poética... ciranda silhueta bailarina de sentidos que encanta esgota respiração e se faz musa pela mão de um sonho em poesia...sensibilidade na sensualidade do grão aqui semeado... fico extasiada por esta paixão de pensamentos à qual me curvo com agrado remetido e partilho sentimentos com um só sentido... venero seus ditos como minha deusa de palavras...
Harmonia e maturidade, descritas em linguagem simples, mas de conteúdo vigoroso. The sabe o que faz. Beijos. Fico solidário na homenagem a Ana Bárbara, sem intrometer-me na verdade do poema, mais um acerto de Theresa.
... profusão de palavras em dança poética... ciranda silhueta bailarina de sentidos que encanta esgota respiração e se faz musa pela mão de um sonho em poesia...sensibilidade na sensualidade do grão aqui semeado... fico extasiada por esta paixão de pensamentos à qual me curvo com agrado remetido e partilho sentimentos com um só sentido... venero seus ditos como minha deusa de palavras...
Às 14:36 em 6 janeiro 2010, EstherRogessi disse...
Ana, boa tarde! Poeta é poeta, até ao comentar! Fico na observância... A forma com que cada pessoa comenta, diz bem mais do que um livro inteiro... Revela: inteligência, sensibilidade ou a falta dela, criatividade, competência e algo mais... Obrigada por tua sensibilidade e competência, és um filtro poético! Por que obrigada? Porque és um presente para os amantes da poesia... Beijos! Responder Exibir a cadeia
s