Cartão de Visita do Facebook

quinta-feira, 23 de abril de 2009

SURPREENDE-ME

Surpreende-me... de mensagens de itens de sorrisos de lágrimas... na poética aragem ventania que chega de qualquer lugar... viagem de espaços replectos concisos na noite e no dia onde todos os meus sonhos andam a vaguear.. Surpreende-me... com a capacidade das palavras num ramalhete de afectos ainda por desabrochar... dá-me os teus sonhos mais secretos que um dia eu irei contar... Surpreende-me... com teus olhos orvalhados numa simplicidade de estações... com os teus jeitos e os teus pecados... a suplicar orações... Surpreende-me... sempre que tu queiras... de todas as maneiras dar-te e eu abusar de todo teu ser poético... ganhar dentro do teu peito um ninho... aí ficar nesse leito entre meiguices e carinho... Surpreende-me... sem nunca seres igual... pelo bem e pelo mal... deixa-te em meus abraços... dá-te a mim ata-te de laços até ao fim deste nosso encontro virtual... e nesse espaço sideral deixa-te ficar... Surpreende-me... de gestos de palavras de emoções a gerarem contradições de desassossego... ilusões e medo... no meu olhar perto de ti... onde eu quero estar... Surpreende-me... inteira e repartida... de uma só maneira ou conseguida...sou musa e mulher... flor uma rosa... em poemas ou em prosa... apenas de ti sentida... Surpreende-me... em tudo aquilo que sou e sinto... de tudo o que nunca minto... faz-me do teu querer mulher... neste livro aberto em que escrevo e conto... toda aqui me desmonto... carcaça pensamento sentimento... segredo que eu assim quiser e vagueia em múrmurios de eterno vento... Surpreeende-me... nada digas do que aqui te choro....nada mostres em teu olhar... e se aqui tanto me demoro... como se a querer ter-te fosse um simples beijar... venho somente dar-me em palavras... Surpreende-me... atira-me com todas as tuas mágoas... delas eu contarei um dia... em terna melancolia entre o espairecer da vida e a solidão de morrer... unicamente sentida... Aqui estou... surpreendida... movimento fecho os olhos e já sou mulher... poetisa reprimida num alento entender-me acaba sempre o que se disser... seja amigo ou amiga... de sonho ou de vida... vem aqui surpreender-me.. ... musa

2 comentários:

Rui disse...

cada vez estás mais apurada na escrita! continuo a vir aqui frequentemente embora não tenha comentado.

Rui disse...

escrevi Rui mas o último nome começa por D, assim sabes qual Rui é!